Blog

Gravidez e colostomia

Se você está a espera de um filho, é um momento emocionante para você e sua família. E não há razão para que ter um estoma deva afectar negativamente sua gravidez.


Ter estoma não é contra-indicação para gravidez e parto. A maioria das mulheres com ostomias passa muito bem durante a gravidez e não apresenta complicações antes ou depois do parto. Há, entretanto, várias coisas que sua esposa precisará considerar durante o curso da gravidez e após o parto.

As mudanças mais significativas que ocorrerão durante a gravidez são, no estoma (geralmente sua altura, grau de protusão e diâmetro) e nos contornos da pele periestomal (depressões, dobras e curvas). Conforme o feto cresce no útero e a mulher começa a ganhar peso, o estoma pode começar a projetar-se menos, o diâmetro pode aumentar e a pele ao redor do estoma pode começar a achatar-se. O estoma pode, de fato, ficar vermelho ou retraído durante a última parte da gestação, embora sua função provavelmente não seja alterada. Mudanças na altura e diâmetro do estoma e nos contornos periestomais geralmente significam uma mudança no tipo de aparelho que sua esposa precisará usar. As alterações no tipo de flange são mais comuns: por exemplo, mudar de um flange plano para um convexo. A mudança para um produto alternativo geralmente não é necessária no primeiro trimestre e nas primeiras partes do segundo trimestre; no entanto, conforme o feto começa a crescer e sua esposa começa a ganhar peso visivelmente (na última parte do segundo trimestre e durante o terceiro trimestre), produtos alternativos podem ser necessários. Se o sistema de bolsa não for tratado e alterado durante a gravidez, complicações como irritação da pele ou lacerações no estoma podem ocorrer.


As mudanças no estoma e na pele periestomal podem ser bastante dramáticas à medida que a gravidez avança. Portanto, é melhor não comprar grandes quantidades de produtos, pois as necessidades da mulherpodem mudar rapidamente e ela pode exigir várias mudanças de produtos. As principais empresas de fornecimento de ostomia têm programas de amostragem, portanto, você pode obter pequenas quantidades do produto gratuitamente. Visitas regulares a uma enfermeira em terapia enterostomal podem ajudar a mulher a determinar quais produtos são mais adequados para suas necessidades durante a gravidez. O terapeuta estomal também pode ajudá-lo a acessar os programas de amostragem.


Após o parto, o estoma e a pele periestoma da mulher vão sofrer alterações novamente: o nascimento do bebê pode tornar a pele menos esticada, com mais rugas / vincos do que antes, e o estoma pode começar a projetar-se novamente. À medida que a mulher perde o peso associado à gravidez, essas mudanças podem continuar, mais uma vez necessitando de alterações em sua bolsa. Dadas as variações no grau e na quantidade de perda de peso pós-parto, é difícil prever se ela será capaz de voltar aos estoques que usava antes da gravidez.


A náusea e o vômito associados ao enjôo matinal podem ser problemáticos se a mulher fizer uma ileostomia. Desequilíbrios de fluidos e eletrólitos podem ocorrer rapidamente sob essas condições, causando desidratação. A náusea pode interferir no seu desejo de comer, comprometendo a sua nutrição e do feto. Se o enjôo matinal for uma preocupação, então a mulher deve ser monitorada de perto por seu médico e avaliada quanto a tratamento intravenoso (fluido administrado pela veia) e suporte nutricional, para que a desidratação e a desnutrição possam ser evitadas.


Se a mulher fez uma colostomia, ela pode ter dificuldade de constipação nos estágios finais da gravidez. Se a constipação se tornar uma preocupação, deve discutir isso com o médico e com o estoma terapêuta para determinar um remédio que seja seguro para si e para o feto. Se a mulher faz uma colostomia e faz irrigação, ela pode descobrir que a irrigação se torna problemática à medida que a gravidez avança. Ela pode apenas ser capaz de instilar pequenas quantidades de fluido, tornando a irrigação menos eficaz e causando vazamentos intermitentes. Ela também pode descobrir que não consegue inserir o cone de irrigação adequadamente, impedindo-a de instilar o fluido. Ela pode precisar considerar a interrupção das irrigações durante as últimas partes da gravidez e reiniciá-las em algum momento após o parto.


Algumas mulheres com ileostomias continentes (por exemplo, bolsas Kock ou Barnett) podem achar que as irrigações da bolsa se tornam difíceis no segundo e terceiro trimestres. As mulheres podem ter dificuldade em inserir o cateter no estoma. Uso de mais lubrificante; deitado em decúbito dorsal durante a inserção do cateter (o que diminui a pressão na bolsa / válvula); ou cateteres menores podem ser necessários. Mudanças dietéticas temporárias (por exemplo, evitar quaisquer produtos de fibra insolúvel) também podem ser necessárias se um cateter menor for usado, para garantir que a bolsa possa ser irrigada e drenada adequadamente. Um nutricionista poderá ajudá-la com qualquer mudança na dieta.


O estoma também pode cair do campo de visão da mulher conforme ela ganha peso. Ela pode precisar usar um espelho colocado na bancada do banheiro para ajudá-la a realizar os cuidados com a ostomia. Ela também pode querer mudar para uma bolsa mais longa para ajudar a facilitar o esvaziamento no banheiro. Algumas mulheres acham mais fácil esvaziar a bolsa em um recipiente colocado na bancada do banheiro, em vez de tentar lutar contra o abdome grande e a visualização deficiente enquanto estão sentadas no vaso sanitário.


Algumas complicações podem ocorrer após o parto. Hérnias paraestomais (hérnias ao redor da ostomia) e estomas prolapsados ​​(alongamento anormal do estoma) são descritos na literatura. Um estomaterapêutapode ajudar a avaliar e gerenciar quaisquer problemas ou preocupações que a mulher possa ter após o parto.

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo