Blog

Doença diverticular do cólon

Os divertículos são bolsas em forma de saco que se projetam da camada muscular normalmente lisa do cólon. Eles tendem a se desenvolver onde os músculos são mais fracos, nos locais onde os vasos penetrantes cruzam os músculos. E nas sociedades ocidentais, a grande maioria dos divertículos se desenvolve onde o cólon é mais estreito, no sigmóide.

Quem contrai diverticulose - e por quê?

A idade é um fator de risco importante para diverticulose. A diverticulose é incomum antes dos 40 anos, e ainda é rara no mundo em desenvolvimento. É mais frequente nos países desenvolvidos. O que explica a diferença? O principal factor é a dieta, especialmente o refinamento dos carbohidratos, que privou a dieta ocidental típica de grande parte de seu conteúdo de fibras. A diverticulose é uma doença da civilização ocidental.


A fibra dietética é uma mistura de carboidratos complexos encontrados no farelo de grãos inteiros e nas nozes, sementes, frutas, legumes e vegetais, mas não em quaisquer alimentos de origem animal. Como os humanos não conseguem digerir esses carbohidratos complexos, a fibra alimentar tem pouco valor calórico - mas tem muito valor para a saúde. Entre outras coisas, a fibra insolúvel encontrada no farelo de trigo, produtos de grãos inteiros e na maioria dos vegetais atrai água para as fezes, tornando as fezes mais volumosas, mais macias e mais fáceis de passar. A fibra dietética acelera o processo de eliminação, reduzindo muito a probabilidade de constipação.


Uma dieta pobre em fibras tem o efeito oposto. Mas a constipação é o menor dos problemas relacionados à diverticulose. Sem fibra suficiente, as fezes são pequenas e duras, e o cólon deve se contrair com força extra para expulsá-las. Isso coloca uma pressão extra na parede do cólon - e, como você deve se lembrar da Física, a pressão num tubo é maior onde o diâmetro é menor. No cólon, o sigmóide é a zona mais estreita.


Com o tempo, uma dieta pobre em fibras aumenta o risco de diverticulose e suas complicações. Como os tecidos conjuntivos tendem a enfraquecer com o passar dos anos, a própria idade pode agravar o efeito da dieta. Outros possíveis fatores de risco para doença diverticular incluem alto consumo de gordura e carne vermelha, obesidade, tabagismo e uso de anti-inflamatórios não esteróides. Por outro lado, a atividade física regular parece reduzir o risco de doença diverticular.


Por que se preocupar?

Cerca de 15% a 20% das pessoas com diverticulose desenvolvem uma complicação inflamatória chamada diverticulite (dois terços leve a moderada, um terço grave) e 5% a 10% desenvolvem sangramento.


Diverticulite: sintomas

A diverticulite é a complicação mais comum da doença diverticular. As bactérias que se acumulam nas fezes são responsáveis ​​pela inflamação da diverticulite. Se o dano for suficientemente grave, uma pequena perfuração se desenvolve na parede do saco, permitindo que as bactérias infectem os tecidos circundantes. Na maioria dos casos, o sistema imunológico do corpo é capaz de conter a infecção, confinando-a a uma pequena área do lado de fora do cólon. Em outros casos, porém, a infecção aumenta para se tornar um abscesso maior ou se estende a todo o revestimento do abdómen, uma complicação crítica chamada peritonite.


A dor é o principal sintoma da diverticulite. Como a diverticulose geralmente ocorre no cólon sigmóide, a dor geralmente é mais pronunciada na parte inferior esquerda do abdómen, mas outras áreas podem estar envolvidas. A febre também é muito comum na diverticulite, às vezes acompanhada de calafrios. Se o sigmóide inflamado estiver contra a bexiga, o homem pode desenvolver urgência, frequência e desconforto urinários suficientes para simular prostatite ou infecção da bexiga. Outros sintomas podem incluir náuseas, perda de apetite e fadiga. Alguns pacientes têm constipação, outros diarreia.


Diverticulite: Diagnóstico

O exame médico pode revelar sensibilidade nos tecidos inflamados, geralmente no abdómen inferior esquerdo; menos frequentemente, o médico pode sentir inchaço. Como em outras infecções, a contagem de glóbulos brancos geralmente está elevada. Porém, como esses achados não são específicos, testes adicionais são necessários para estabelecer um diagnóstico de diverticulite. O melhor teste é uma tomografia computadorizada de abdómen, idealmente realizada após o paciente receber o contraste por via oral e intravenosa. E um ou dois meses depois, depois da inflamação reduzir, o paciente deve fazer uma colonoscopia, tanto para avaliar a doença diverticular quanto para ter certeza de que nenhuma outra anormalidade está à espreita.



Tratamento para diverticulite

Os antibióticos são a base do tratamento da diverticulite. Os médicos devem prescrever um tratamento que terá como alvo uma ampla gama de bactérias, incluindo Bacteroides e outras bactérias anaeróbias que crescem melhor sem oxigênio


Os pacientes com diverticulite leve a moderada podem tomar seus antibióticos em casa, mas os pacientes com inflamação ou complicações graves devem receber antibióticos intravenosos (IV) no hospital e, em seguida, terminar com os comprimidos em casa. Na maioria dos casos, sete dias de antibióticos são suficientes para o tratamento da diverticulite.


O repouso intestinal também é importante para a diverticulite aguda. Para o tratamento em casa, isso significa manter uma dieta de líquidos claros por alguns dias, depois adicionar gradualmente sólidos macios e passar a uma dieta mais normal ao longo de uma ou duas semanas. Os fluidos intravenosos podem sustentar pacientes hospitalizados até que estejam bem o suficiente para mudar para líquidos claros a caminho de uma dieta completa.


Como a diverticulite tende a recorrer, a prevenção sempre faz parte do plano de tratamento. E para pessoas com qualquer forma de doença diverticular do cólon, isso significa uma dieta rica em fibras.


Prevenção de doenças diverticulares

A doença diverticular do cólon pode ser prevenida. Uma dieta rica em fibras reduzirá drasticamente o risco de desenvolver divertículos - e mesmo após a formação das bolsas, a fibra alimentar reduzirá o risco de diverticulite e sangramento diverticular.


Pessoas com doença diverticular devem evitar ou minimizar o uso de antiinflamatórios não esteroidais.



13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo